POESIAS

VOLTAR

Descrente da história livresca

A história toda é uma farsa
Passada pelo vírus da acomodação
Múmia – pura verdade rara
Neste mundo sem reflexão

Imóvel, prêmio nobel de arte
Humana, paralisia da mente sã
Somos mumificados numa parte
Que passa crente à história vã

Os livros descrevem-na
Entre rabiscos e rasuras
Lecionam a quem ensina
Suas sombras são escuras

Da verdade só se respira a essência
Quando o cordão umbilical da mente
Contra crenças, luta à independência
Ganhando asas a liberdade ardente

Livro, importância da mente até o selo do pé
Não emende o vermelho das letras
Não barbeie heróis, pois, destes até o pelo é
E heróis, na maioria, são páginas extras

Heroína, ao certo, é a reflexão que lança saltos
Tem seus obstáculos no deserto de arquivos
E, com astúcia da dúvida, vão mais altos
Da miragem de letras livrescas, os seus voos

Divaldo F S Filho Autor Divaldo F S Filho MEU PERFIL
ENVIE POR E-MAIL
DENUNCIE